Imposto de Renda 2019: o que acontece se o contribuinte deixa de apresentar a declaração no prazo?

Faltando 15 dias para encerrar o prazo para envio da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2019, mais da metade dos contribuintes ainda não a entregaram. A Receita Federal alerta que quem, estando obrigado, não apresenta sua declaração no período estipulado fica sujeito a multa e a restrição no CPF. O prazo termina às 23h59m59s de 30 de abril.

Até o dia 11 de abril, a Receita havia recebido cerca de 12,2 milhões de declarações, o que corresponde a 40% do total esperado pelo órgão, que é de 30,5 milhões.

A multa por atraso na entrega da declaração é aplicada tanto para quem tem imposto a pagar quanto para quem tem restituição a receber. Para quem tem imposto a pagar, a multa é de 1% ao mês (ou fração de atraso) sobre o valor do imposto a pagar, limitada a 20% do imposto devido. Já para quem não tem imposto a pagar, o valor da multa corresponde ao mínimo exigido, que é de R$ 165,74.

Ao enviar a declaração após o prazo, o contribuinte receberá a “Notificação de lançamento da multa”, com o prazo para quitar a taxa. O pagamento deve ser feito em até 30 dias após a emissão. Encerrado esse prazo, passam a incidir juros de mora sobre o valor, com base na taxa Selic.

Para emitir o Documento de Arrecadações de Receitas Federais (Darf) necessário para quitar a multa, o contribuinte deverá selecionar a opção “Darf de multa por Entrega em Atraso”, localizado na aba “Imprimir” do programa gerador da declaração.

Quem tem imposto a restituir e não quitar a pendência no período de terá a multa automaticamente deduzida do valor da restituição. “Além disso, normalmente, quem tem direito à restituição e entrega depois do prazo irá para o final da fila para o pagamento. Geralmente, recebe somente nos lotes suplementares”, destacou o professor de finanças do IBMEC e da Fundação Dom Cabral, Gilberto Braga.

Complicações na vida financeira

De acordo com Gilberto Braga, professor de finanças do IBMEC e da Fundação Dom Cabral, além de pagar multa, o contribuinte que não entregar dentro do prazo a declaração tem como consequência imediata ficar com a situação pendente de regularização na Receita Federal.

    “O contribuinte precisará regularizar a situação para que não venha a ter problemas, por exemplo, na contratação de crédito”, salientou.

O professor enfatizou que a declaração do Imposto de Renda é cobrada como documento obrigatório para comprovação de renda em diversas situações que envolvem liberação de crédito.

    “O contribuinte ficaria alijado de ser beneficiário, por exemplo, de um financiamento habitacional”, destacou.

O CPF em situação irregular também pode comprometer a emissão de passaporte, impedir a emissão a emissão de certidão negativa para venda ou aluguel de imóvel e, até mesmo, impedir a nomeação em concurso público.

Braga enfatizou, no entanto, que o CPF do contribuinte continua válido, mas restrito por pendências na regularização. Ele alertou que, na contramão dos canais virtuais, o atendimento presencial nos postos da Receita está mais moroso, o que pode obrigar o contribuinte a ter de ir mais de uma vez ao local para ajustar suas contas com o Fisco.

Quem é obrigado a declarar o Imposto de Renda Pessoa Física?

  •     Quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018. O valor é o mesmo da declaração do IR do ano passado.
  •     Quem recebeu rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil em 2018;
  •     Quem obteve, em qualquer mês de 2018, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  •     Quem teve, em 2018, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  •     Quem tinha, até 31 de dezembro de 2018, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;

Quem não é obrigado a declarar fica isento da multa

Quem não se enquadra nos requisitos que tornam a declaração do Imposto de Renda obrigatória também pode declarar à Receita seus rendimentos e gastos. Apesar de não ser obrigatória, para muitas pessoas a declaração pode trazer vantagens como o recebimento de alguma restituição.

Ao contrário dos contribuintes que são obrigados a enviar a declaração, aqueles que são desobrigados, mas a apresentam fora do prazo, ficam isentos do pagamento de multa.

Fonte: g1.globo | 15/04/2019

Cotações e Índices

Moedas - 25/06/2019 13:25:37
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,833
  • 3,833
  • Paralelo
  • 3,810
  • 4,000
  • Turismo
  • 3,680
  • 3,990
  • Euro
  • 4,363
  • 4,365
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,940
  • 3,940
  • Libra
  • 4,871
  • 4,875
  • Ouro
  • 172,610
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Agendas Tributárias

  • 25/Junho/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • COFINS.
  • PIS/Pasep.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Clientes & Parceiros

Rua Gaspar Fernandes, 67, Vila Monumento - São Paulo/SP
CEP: 01549-000 | Fone: 11. 2063 5120 | apoio@apoiocontabilidade.com.br
Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )


Aviso Importante:
‣ Informamos a quem possa interessar e para todo e qualquer fim, que nossa empresa não emite avisos de cobrança, avisos de serviço de proteção ao crédito ou qualquer outro tipo de aviso relacionado ao Serasa, SPC ou qualquer outro órgão de controle de proteção ao crédito. Informamos também que sabemos da existência de empresas com o nome semelhante ao nosso e que prestam serviços como os descritos acima, sendo assim, não cabe a nossa empresa a responsabilidade referente a qualquer notificação de serviços de proteção ao credito. Att.