Equipe econômica prepara MP que eleva as alíquotas do PIS e da Cofins

Governo procura compensar perda de receita após STF tirar ICMS de base de cálculo

O Ministério da Fazenda quer aumentar as alíquotas do PIS/Cofins para compensar as perdas de arrecadação com a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que excluiu o ICMS da base de cálculo desses tributos.

A equipe econômica prepara uma medida provisória para elevar os percentuais dessas cobranças. O objetivo é igualar as receitas que estavam previstas antes do julgamento do caso no tribunal, que ocorreu em março.

A maioria dos ministros do STF decidiu que o ICMS, um imposto estadual, não poderia ser incluído na base de cálculo do PIS e da Cofins, que são tributos federais.

Durante o julgamento, a AGU (Advocacia-Geral da União) afirmou que o governo poderia perder até R$ 27 bilhões por ano.

Para recompor as perdas, integrantes da área econômica afirmam que deve haver um aumento linear das alíquotas do PIS e da Cofins –atualmente de 1,65% e 7,6% sobre o faturamento, respectivamente. No conjunto, a cobrança dos dois tributos corresponde hoje a 9,25%. O reajuste pode ser próximo a um ponto percentual, o que elevaria a cobrança de PIS/Cofins para casa de 10%.

A Fazenda voltou a discutir o aumento na semana passada, quando foi publicado o acórdão do julgamento do Supremo sobre o caso. A proposta será enviada à Casa Civil para análise de ministros da área política e do presidente Michel Temer.

O aumento do PIS/Cofins só pode ser feito com mudanças na lei via medida provisória ou projeto de lei.

A Fazenda prefere a edição de uma MP, uma vez que os prazos de tramitação permitiriam uma aprovação mais rápida. A edição dessas medidas, porém, tem causado atrito entre o Congresso e o Planalto –o que pode obrigar o governo a propor o reajuste via projeto de lei.

Até a decisão do STF, a cobrança de PIS/Cofins era calculada sobre uma base maior, que incluía o ICMS. A corte, entretanto, decidiu que o imposto não poderia ser usado nessa conta, o que reduziria a arrecadação com os outros tributos.

A equipe econômica não admite abrir mão de receita no atual momento de crise fiscal, mas sabe que a alta de tributos ainda deve enfrentar resistências políticas no Palácio do Planalto e, principalmente, no Congresso.

Os parlamentares costumam se opor a aumentos de tributos, o que implicaria na necessidade de uma negociação entre o Planalto e sua base aliada.

Temer ainda não deu sinal verde para o reajuste, mas fontes do governo afirmam que o assunto chegou ao Planalto nos últimos meses e não houve oposição formal à elaboração da medida.

Em julho, o governo enfrentou desgaste ao dobrar as alíquotas de PIS/Cofins sobre combustíveis para cobrir o Orçamento. Esse aumento, no entanto, pôde ser realizado via decreto, sem necessidade de aprovação pelo Congresso.

JULGAMENTO

O governo ainda pretende recorrer ao STF para que a alteração só passe a ter efeito em 1º de janeiro de 2018 –e não retroativamente. Além do impacto sobre a receita futura, o governo ainda teme que a decisão do Supremo abra espaço para que milhares de contribuintes acionem a União para recuperar os tributos pagos levando em conta a base de cálculo antiga.

Segundo a PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional), a União poderia estar em risco de ter que pagar até R$ 100 bilhões em potenciais processos, referentes aos últimos cinco anos (período de prescrição).

A decisão terá repercussão geral ""ou seja, deve valer para todas as instâncias do Judiciário. Em 2014, o STF já havia decidido que a inclusão do ICMS sobre o cálculo era inconstitucional, mas o julgamento teve efeito num processo específico. No novo julgamento, a maioria votou pela exclusão do ICMS.

ENTENDA A DISPUTA

Discussão judicial afeta a arrecadação

O que está em discussão?
Em março, o STF (Supremo Tribunal Federal) excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins. A equipe econômica quer editar uma medida provisória que recompõe a alíquota para igualar as receitas previstas antes do julgamento do caso no tribunal

Qual foi a base para a decisão?
O valor pago de ICMS por empresas e repassado ao consumidor não pode ser considerado faturamento. Por isso, o PIS e a Cofins devem incidir apenas sobre o valor efetivamente faturado pela empresa com a venda de seus produtos e mercadorias

Qual a perda de arrecadação?
Durante o julgamento, a AGU (Advocacia-Geral da União) afirmou que o governo perderia R$ 27 bilhões por ano com a mudança. O valor é semelhante ao orçamento do Bolsa Família, por exemplo

Quando a decisão terá efeito?
O governo deve recorrer ao STF para que a alteração na cobrança comece a ter efeito apenas em 1º de janeiro de 2018Como foi a votação no Supremo?A decisão foi por maioria. A relatora, ministra Cármen Lúcia, votou contra a inclusão do ICMS na base de cálculo e foi seguida por seis ministros 

fonte: fenacon

Cotações e Índices

Moedas - 17/10/2017 16:03:45
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,168
  • 3,169
  • Paralelo
  • 3,140
  • 3,320
  • Turismo
  • 3,150
  • 3,340
  • Euro
  • 3,728
  • 3,729
  • Iene
  • 0,028
  • 0,028
  • Franco
  • 3,240
  • 3,242
  • Libra
  • 4,181
  • 4,184
  • Ouro
  • 131,230
  •  
Mensal - 09/10/2017
  • Índices
  • Ago
  • Set
  • Inpc/Ibge
  • -0,03
  • -0,02
  • Ipc/Fipe
  • 0,10
  • 0,02
  • Ipc/Fgv
  • 0,13
  • -0,02
  • Igp-m/Fgv
  • 0,10
  • 0,47
  • Igp-di/Fgv
  • 0,24
  • 0,62
  • Selic
  • 0,81
  • 0,64
  • Poupança
  • 0,56
  • 0,55
  • TJLP
  • 0,58
  • 0,58
  • TR
  • 0,05
  • -

Agendas Tributárias

  • 20/Outubro/2017 – 6ª Feira
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras
  • INSS | Previdência Social
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal
  • Simples Nacional
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES
  • Informe de Rendimentos Financeiros - PJ

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Clientes & Parceiros

Rua Gaspar Fernandes, 67, Vila Monumento - São Paulo/SP
CEP: 01549-000 | Fone: 11. 2063 5128 | apoio@apoiocontabilidade.com.br
Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )


Aviso Importante:
‣ Informamos a quem possa interessar e para todo e qualquer fim, que nossa empresa não emite avisos de cobrança, avisos de serviço de proteção ao crédito ou qualquer outro tipo de aviso relacionado ao Serasa, SPC ou qualquer outro órgão de controle de proteção ao crédito. Informamos também que sabemos da existência de empresas com o nome semelhante ao nosso e que prestam serviços como os descritos acima, sendo assim, não cabe a nossa empresa a responsabilidade referente a qualquer notificação de serviços de proteção ao credito. Att.